terça-feira, 29 de outubro de 2013

Crente ostentação





“...Quem te viu passar na prova
E não te ajudou
Quando ver você na bênção
Vão se arrepender
Vai estar entre a plateia
E você no palco
Vai olhar e ver
Jesus brilhando em você
Quem sabe no teu pensamento
Você vai dizer
Meu Deus como vale a pena
A gente ser fiel
Na verdade a minha prova
Tinha um gosto amargo
Mas minha vitória hoje
Tem sabor de mel...”

A mídia tem nos mostrado a cada dia as mudanças da forma com a qual o os crentes dão – erroneamente – “testemunhos de vitória” e buscam a Deus. O caminho está tão deturpado que vemos pessoas andando sem rumo e sem orientação, padecendo no erro de não ler as escrituras e suas orientações.

O período que vivemos tem revelado a pobreza do mundo em relação ao conhecimento da Palavra. Denominações e igrejas surgem e somem a todo tempo; ventos de doutrina sopram de todos os lados e a cada momento vemos uma nova “moda gospel” estourar.

O que venho comentar hoje é sobre o “crente ostentação”, fazendo uma analogia ao funk ostentação que descreve-se como o estilo de música funk-brasileiro que baseia suas letras em exaltar os bens que um indivíduo possui, como carros, motos, roupas de marca e joias, ostentando a vida de felicidade que seus ouvintes almejam.

O que tem sido pregado nos dias atuais pela teologia da prosperidade e afins é que devemos viver as bênçãos de Deus aqui e agora. Você nasceu para vencer e você deve ser feliz, custe o que custar!
O que aconteceu com os humildes? (...os humildes serão exaltados, e os exaltados serão humilhados. Ezequiel 21:26). As pessoas se esquecem de que são servos (apenas servos) e buscam a vida eterna e a vitória nessa terra.

Miqueias 2:10 diz: “Levantem-se, vão embora! Pois este não é o lugar de descanso, porque ele está contaminado, está arruinado, sem que haja remédio.”. Aqui não é nosso lugar de vitória, de triunfo, de descanso. Mesmo assim o mundo tem colocado na igreja que todos devemos ser felizes, mas a Palavra não nos diz isso, muito pelo contrário. João diz em que “no mundo tereis aflições” (Jo 16:33), mas queremos triunfar agora a qualquer custo por não saber esperar no Senhor.

Nós não merecemos nada, a não ser o inferno, mas pela misericórdia de nosso Deus nos foi dada a chance da salvação e pelo amor incomparável ainda somos abençoados nessa terra. Por isso, creio que o Senhor nos faz prosperar e que devemos sim dar testemunho do que o Senhor tem feito em nossas vidas, mas não podemos esperar que uma benção específica para alguém seja crie um padrão. Deus tem um plano para cada um de nós e a forma com que vivemos nos dará a experiência necessária para atingir o propósito Divino.

Atos 20:24 diz assim: Mas de nada faço questão, nem tenho a minha vida por preciosa, contanto que cumpra com alegria a minha carreira, e o ministério que recebi do Senhor Jesus, para dar testemunho do evangelho da graça de Deus.

Logo, entendo que a raiz do problema está em não ter fé suficiente no Senhor para crer na Canaã Celeste, na morada que o próprio Cristo tem preparado para nós e nos galardões reservados aos santos. É preciso ter a glória agora para crer que Deus existe e que age em nossa vida?
Enquanto vivermos como Tomé e medirmos nossa vida espiritual pelos bens materiais, seremos sempre miseráveis de espírito.


Lembre-se sempre que Jesus, o Deus encarnado, veio nessa terra como servo humilde para nos ensinar o que realmente tem valor. 

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

O que é o "seu melhor" ?

Quando eu era criança na igreja em que eu cresci, havia um irmão que sempre apresentava um número especial nos cultos de domingo à noite,  geralmente cantando a mesma música. Mesmo para mim que era pequeno, era visível que ele não tinha nenhuma vocação para música, mas ele fazia questão de cantar e cantava de coração! Toda vez que subia ao púlpito ficava claro a sua satisfação em executar tal tarefa, porém, ele mesmo sabia da dificuldade que tinha e sempre, antes de iniciar a canção,  fazia o mesmo discurso pedindo desculpas a igreja por não poder fazer melhor, mas que fazia para a Glória do Senhor. Eu não entendia muito bem o que isso significava mas sempre ouvia de alguém que "Deus entende" ou até mesmo quando questionava, ouvia como defesa o texto sobre a viúva e sua oferta de duas moedas, sendo afirmado que o melhor de uma pessoa pode não ser tão bom para nós mas Deus conhece o coração. Mas será que o que queremos oferecer é o que temos de melhor?

Em Efésios 4:11-17 diz assim:

“E ele designou alguns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas, e outros para pastores e mestres, com o fim de preparar os santos para a obra do ministério, para que o corpo de Cristo seja edificado, até que todos alcancemos a unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, e cheguemos à maturidade, atingindo a medida da plenitude de Cristo. O propósito é que não sejamos mais como crianças, levados de um lado para outro pelas ondas, nem jogados para cá e para lá por todo vento de doutrina e pela astúcia e esperteza de homens que induzem ao erro. Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo. Dele todo o corpo, ajustado e unido pelo auxílio de todas as juntas, cresce e edifica-se a si mesmo em amor, na medida em que cada parte realiza a sua função. Assim, eu lhes digo, e no Senhor insisto, que não vivam mais como os gentios, que vivem na futilidade dos seus pensamentos.”

O nosso Senhor separou para cada um o ministério que melhor se enquadra de acordo com a Sua vontade e isso faz com que possamos crescer em qualidade e maturidade espiritual. Se todos os membros exercessem a mesma função, o corpo seria deficiente.

Quando o Senhor instruiu a Moisés sobre a construção do Tabernáculo, da arca e seus utensílios, Ele também determinou quem seriam os sacerdotes e distribui o talento de artesãos, tecelões e escultores entre os selecionados no povo, cada qual com a sua função. É interessante notar que apenas alguns foram escolhidos, a grande maioria apenas adorava e contribuía, fazendo da sua vida o seu louvor.

O Senhor não chamou a todos para cantar ou preparar sermões, mas com certeza ele tem uma função designada para cada servo. Assim como no nosso corpo temos membros e orgãos que nem sabemos, muitos trabalhadores não são nem percebidos na igreja, como por exemplo os que oram, os que intercedem, fazem vizitas. São membros fundamentais do corpo da igreja que, assim como no corpo humano, são fundamentais para a sobrevivência, mas que só perceberemos se ficarmos sem estes. Você não percebe que tem um rim até que ele pare de funcionar. Cabe a nós buscar o que temos de melhor a oferecer pois o "nosso melhor" foi o próprio Deus quem concedeu.

" Então, disse aos seus discípulos: A seara é realmente grande, mas poucos os ceifeiros." Mateus 9:37


Há muito o que fazer! Que possamos buscar em Deus o que Ele tem reservado para nós e a Sua vontade para nossa vida para que possamos louvá-lo com o nosso melhor. 

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Justificando o sumiço

Graça e Paz,

Desculpem a demora. Tive alguns problemas na semana passada e não pude manter a minha meta de 2 postagens por semana. mas a ideia ainda está aqui e se tudo der certo essa semana eu me coloco em dia!

ainda hoje eu posto o novo assunto.

Obrigado e mais uma vez desculpa

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Ron Kenoly - Not By Power

Not By Power
Não pelo poder
Not by power
Não pelo poder
Not by might
Não por força
But by my spirit
Mas pelo meu Espírito
Says the Lord 2x
Diz o Senhor 2x
(Chorus)
(Refrão)
The weapons of our warfare
As armas da nossa milícia
Are not of this world
Não são deste mundo
They're mighty through God
Elas são poderosas em Deus
Mighty through God
Poderosas em Deus
The power of His mercy
O poder da Sua misericórdia
And the power of His love
E o poder do Seu amor
They're stronger than all
Eles são mais fortes do que todos
Stronger than all
Mais forte do que todos
As we worship in unity
Como nós adoramos em unidade
Jesus the Lord
Jesus, o Senhor
Victory comes in His name
Vitória vem em seu nome
By His word (Chorus)
Por Sua palavra (Refrão)

Graça e Paz!
Quero agradecer a todos que tem visitado este blog e as palavras de incentivo que tenho recebido. Isso com certeza faz toda a diferença e me dá forças continuar!

Mas, como esperado, as consequências também me acompanham. O inimigo não está feliz por esse (e outros) trabalho que estou iniciando em prol da Palavra e tem tentado me derrubar a todo custo. Tem tocado na paz do meu lar, nas finanças e na saúde para me tirar do foco a qualquer custo, pois sabe das proporções que os projetos podem tomar e até onde esse canal pode ser usado para a edificação de vidas em Cristo, porém, como diz em Efésios 6:12

pois a nossa luta não é contra pessoas, mas contra os poderes e autoridades, contra os dominadores deste mundo de trevas, contra as forças espirituais do mal nas regiões celestiais.”

Tenho mantido a Fé e me fortalecido nas palavras de Paulo que diz em 2 Coríntios 12:9-10

Mas Ele me disse: "Minha graça é suficiente para você, pois o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza". Portanto, eu me gloriarei ainda mais alegremente em minhas fraquezas, para que o poder de Cristo repouse em mim. Por isso, por amor de Cristo, regozijo-me nas fraquezas, nos insultos, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias. Pois, quando sou fraco é que sou forte.

Assim como o Senhor mostrou a Paulo, quando precisamos, nos momentos difíceis, na falta da esperança, quando gastamos todas nossas forças é que nós buscamos ao Pai verdadeiramente. Logo, se estivéssemos em comunhão constante com Deus, desfrutando da intimidade e da total dependência dEle, não teríamos provações, quem sabe, tão duras, mas saberíamos administrar as dificuldades da vida com a consciência de que o Senhor luta por nós.

Que possamos levar uma vida de segurança no Senhor sabendo que as dificuldades virão, mas que não é aqui o nosso descanço.

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Poliamor - O que está acontecendo?

O mundo tem mudado de uma forma cada vez mais rápida, de modo que até assusta. As pessoas têm defendido suas “formas de amar” (cada vez mais criativas) como quem levanta uma bandeira de independência ou morte! Para que sua nova invenção seja, não só aceita, mas apoiada e defendida.

Atormenta-me a ideia de que existem pastores - chamados evangélicos - realizando casamentos de pessoas do mesmo sexo sob a suposta benção de um Deus que não aprova isso, quanto mais às evoluções que tem surgido a partir de um raciocínio tolo de que a liberdade humana nos remete a fazer tudo o que quisermos, TUDO.

Ontem assisti a uma matéria sobre o “Poliamor”, que nada mais é do que pessoas que possuem um relacionamento sério em grupo. Isso mesmo, entre três ou mais pessoas. Não é algo exclusivamente sexual ou casual, como as diversas formas de libertinagem existentes em lugares que promovem esses tipos de encontro, mas sim literais triângulos amorosos onde um homem namora duas mulheres e essas duas mulheres também namoram entre si (ou namoram outra pessoa simultaneamente), por exemplo.

Uma das pessoas entrevistadas, ao ser questionada sobre como associar o amor a duas pessoas ao mesmo tempo, retrucou com a seguinte pergunta: “Como você consegue amar a seu pai e sua mãe ao mesmo tempo?“ usando de forma ousada a justificativa de comparação de amor fraternal e amor entre um casal. Outra pessoa, no mesmo documentário, afirma: “... nós não temos um manual, portanto, cabe a nós construir, esse manual...”

O Senhor foi muito claro ao nos deixar o “manual do fabricante”. A Palavra de Deus foi projetada por Ele para nos direcionar a santificação instruindo o caminho e as formas de viver. Nisso, há alguns pontos que gostaria de salientar:

A bíblia nos fala em Romanos 1:20-27 assim:
 “Pois desde a criação do mundo os atributos invisíveis de Deus, seu eterno poder e sua natureza divina, têm sido vistos claramente, sendo compreendidos por meio das coisas criadas, de forma que tais homens são indesculpáveis; porque, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe renderam graças, mas os seus pensamentos tornaram-se fúteis e os seus corações insensatos se obscureceram. Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos e trocaram a glória do Deus imortal por imagens feitas segundo a semelhança do homem mortal, bem como de pássaros, quadrúpedes e répteis. Por isso Deus os entregou à impureza sexual, segundo os desejos pecaminosos dos seus corações, para a degradação dos seus corpos entre si. Trocaram a verdade de Deus pela mentira, e adoraram e serviram a coisas e seres criados, em lugar do Criador, que é bendito para sempre. Amém. Por causa disso Deus os entregou a paixões vergonhosas. Até suas mulheres trocaram suas relações sexuais naturais por outras, contrárias à natureza. Da mesma forma, os homens também abandonaram as relações naturais com as mulheres e se inflamaram de paixão uns pelos outros. Começaram a cometer atos indecentes, homens com homens, e receberam em si mesmos o castigo merecido pela sua perversão.”

Não poderia ser mais claro, principalmente nos últimos versos, o quanto é abominável para Deus o homossexualismo, de forma que o mesmo é um castigo a humanidade por se afastar da presença e da vontade do Senhor.

Quanto a se ter vários parceiros, em Gênesis 2:22-24 diz assim:
[Com a costela que havia tirado do homem, o Senhor Deus fez uma mulher e a trouxe a ele. Disse então o homem: "Esta, sim, é osso dos meus ossos e carne da minha carne! Ela será chamada mulher, porque do homem foi tirada". Por essa razão, o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua mulher, e eles se tornarão uma só carne.]

Como o texto mostra, não há exceções, o homem e a mulher, o casal, a dupla que se torna um.


Gostaria de concluir ilustrando o pensamento de que, na medida em que nos distanciamos do Caminho do Senhor e nos perdemos em meio à selva do mundo, acabamos por andar por trilhas desconhecidas da qual nenhuma chegará ao caminho original, mas que, com suas belas paisagens, levarão ao abismo.

terça-feira, 8 de outubro de 2013

O Senhor do Tempo




O Senhor do tempo - Stênio Marcius

Mestre, me veja menino
Deixa-me correr com Teus pequeninos
Mestre, de rosto amigável, de sorriso largo, de sereno olhar
Eu fui a Ti criança e me recebeste de braços abertos
Que estranha distância agora
Senhor, lembra do menino que eu fui outrora

Mestre, lembro que eu buscava
E me derramava, choro adolescente
Lembro daquele caderno onde eu anotava minhas orações
Jovem busquei a Ti, o refúgio certo para um moço aflito
Que estranha distância agora
Senhor, lembra do rapaz que eu fui outrora

Mestre, estou bem mais velho
E o amor que eu tinha, onde foi parar?
Mestre, fala a esse homem, que se emocione, vá recomeçar
Faz-me correr e assim retornar ligeiro ao primeiro amor
Deixa-me ver novamente o meu nome
Escrito nas santas mãos do Senhor do Tempo



Essa música fala muito comigo, pois me lembro da minha infância e de como eu era íntimo do Senhor. Lembro-me que tinha de ir para cama cedo e como demorava a dormir, passava muito tempo orando. Coisa que hoje quase não percebo eu agradecia ao Senhor. Agradecia pela cama quente que eu tinha, pelas refeições que nunca me faltavam enquanto muitos não tinham nada, por ter um pai e uma mãe que me amam. Pedia proteção a toda minha família e amigos, nome por nome e para que o Senhor os abençoasse assim como me abençoou.

Hoje, mesmo buscando a Cristo e a sua vontade, percebo que as quedas que vivenciei até aqui me ensinaram o valor de uma vida com Deus, mas, aquela pureza que tinha em meu coração quando criança é tão diferente do que vivo! Como deixei a inocência se esvair por entre meus dedos e me permiti passar por tantas coisas que desagradaram ao Senhor? Parece que aquela criança tinha uma maturidade espiritual maior do que esse adulto tem hoje.

Logo, fica claro o que em Mateus 19:14 Jesus diz: “Deixem vir a mim as crianças e não as impeçam; pois o Reino dos céus pertence aos que são semelhantes a elas".  Quando criança eu tinha a plena certeza de que era totalmente dependente de Deus. Sabia que Ele era o único com poder suficiente para atender as minhas necessidades. Enquanto crescia o sonho da maturidade e da responsabilidade ofuscou o brilho de Senhor em minha vida ao tentar achar as respostas por minha conta e a tola ideia de que “Tem coisas que eu não preciso pedir para Deus (isso é tão simples, deixa que eu resolvo!)” acabou separando-me da comunhão que havia, da dependência e da segurança do Pai.

Só tenho a agradecer pela misericórdia do Senhor em me conceder a chance de buscar a cada dia a sua vontade.

 “E buscar-me-eis, e me achareis, quando me buscardes com todo o vosso coração.” Jeremias 29:13


terça-feira, 1 de outubro de 2013

Decidir fazer o certo

Um pequeno estudo que passei esses dias para os jovens de minha igreja sobre como José resistiu a tentação da mulher de Potifar.

Acrescente nos comentários que puder pois estou aqui para aprender!